Schwing Stetter

40 anos

Bombeamento de Concreto a 480 metros de distância Complexo Hidrelétrico de Lajes – Piraí- RJ Priorizar

Enviado em: 14/02/2012 às 10:02:08

Priorizar o aspecto ambiental tem sido regra para a Light na reforma e expansão do complexo hidrelétrico de Lajes, no Sul Fluminense, de 612 MW. A primeira etapa da obra, que começou em dezembro de 2009, consiste na recomposição de um alimentador do complexo – a instalação de um duto de 1,5 km de extensão e 1,7 m de diâmetro no meio da mata. Orçado em R$ 30 milhões e previsto para ser concluído em abril, o projeto seria simples, não fosse por dois motivos: passam pelas usinas 96% da água que abastece a região metropolitana do Rio de Janeiro e uma das exigências da licença ambiental da obra é não danificar o entorno, onde estão 6% da mata atlântica do estado do Rio de Janeiro.

Diante disso, a Light experimentou uma série de medidas para minimizar os impactos socioambientais das obras. Entre os pilotos testados destacam-se a engenharia e a capacitação dos funcionários. Para não desmatar a vegetação no entorno do alimentador, os tubos são instalados por uma grua isolada no meio da mata. “A grua é como se fosse uma árvore metálica”, ressalta o gerente de Meio Ambiente da companhia, Luís Antonio Braga Grande.

No trecho mais delicado, onde o duto atravessa uma rocha, as soldas são feitas pela parte interna do tubo, o que exige mais horas de trabalho e funcionários com qualificação especial para o serviço. Como esse trecho tem cerca de 400 m de extensão, a quantidade de oxigênio dentro do tubo é monitorada constantemente. Quando o volume de oxigênio cai a determinado limite, a obra é interrompida.
“Em termos de projeto, é uma obra convencional. O complicador é sua execução e a logística, porque estamos fazendo um projeto de energia e abastecimento convergindo com o meio ambiente e a segurança do trabalho”, explica o gerente de Futuros Empreendimentos da Light, Heitor Corrêa.

Capacitação

A principal ação do projeto, na avaliação da Light, é o programa de capacitação dos 300 funcionários da obra como agentes ambientais e de segurança. Em palestras e simulações de ocorrências, eles aprendem noções de impactos ambientais, legislação e licenciamento ambiental, gerenciamento de resíduos e segurança do trabalho. Com isso, atuarão também como agentes multiplicadores e de conscientização.
“Eles são capacitados com base nas condicionantes da licença ambiental”, conta a analista de Meio Ambiente da Light Monicke Vieira. “É uma ferramenta de gestão ambiental para a empresa e uma oportunidade de capacitação profissional para esses trabalhadores, que recebem certificado e enriquecem o currículo.”
Cerca de 180 funcionários já passaram pelo treinamento – entre eletricistas, pedreiros, soldadores e outros, da Light e do consórcio contratado para realizar o serviço, que inclui as empresas Contemat, Teckma e Geoprojetos. Até a conclusão da obra, todos os colaboradores terão realizado o curso.
Ao fim da recomposição do alimentador, os trabalhadores capacitados deverão ser direcionados para a construção das PCHs. Ainda assim, a Light também pretende realizar o treinamento nas construções futuras.

O complexo de Lajes

A história do complexo de Lajes confunde-se com a história do Rio de Janeiro, da Light e do setor elétrico brasileiro. A barragem começou a ser construída em 1905, represando o Ribeirão das Lajes e formando o reservatório, que constitui reserva estratégica para o abastecimento de água da região metropolitana da capital.
Quando entrou em operação, em 1908, a primeira usina do complexo – Fontes Velha – era uma das maiores hidrelétricas do mundo, com 24 MW de potência instalada. Desativada desde 1989, a planta dará espaço para a PCH Lajes, cuja implantação está prevista para começar em meados deste ano.
Em 1940, foi a vez de Fontes Nova entrar em operação. A hidrelétrica, em funcionamento até hoje, possui capacidade de 132 MW. Em 1952 entrou em operação a usina Pereira Passos (100 MW). No ano seguinte, a hidrelétrica subterrânea Nilo Peçanha deu a partida, agregando 380 MW ao sistema.
Hoje o reservatório de Lajes opera com nível d’água máximo de 415 m, o que possibilita um volume útil de 445 milhões de m³ para regularização de vazões.

http://www.lightenergia.com.br/parque-gerador/complexo-de-lajes/subsistema-lajes/

Detalhes do Bombeamento de Concreto

A tubulação para concreto foi montada em paralelo tubulação de água, chegando a 480 metros de comprimento em terreno irregular e dificuldades ambientais.

Graças a equipamentos capazes e confiáveis da marca SCHWING-Stetter a Concrezac conseguiu bombear concreto a mais de 480 metros de distância na obra da empresa Light Energia onde foram realizadas reformas e expansão do complexo hidrelétrico de lajes no sul fluminense, uma obra de desafios logísticos e ecológicos devido as atividades estarem localizadas em meio a mata atlântica. “É um orgulho para nós podermos contribuir para realização de uma obra importante para o desenvolvimento do estado do Rio de Janeiro, gerando energia limpa e garantindo o abastecimento de água ao povo Fluminense”, afirma o Eng° Remer Zaccaria (esquerda) da empresa Concrezac Bombeamento de Concreto.

A Concrezac, presta serviços de locação de bombas de concreto para o ramo da construção civil e atua em obras de pequeno, médio e grande porte. Desde o início de suas operações, no ano de 2008, a empresa vem se destacando no mercado pela qualidade e excelência de seu serviço e atendimento.

Os equipamentos Concrezac dispõem da mais alta tecnologia de bombeamento de concreto disponível no mercado mundial e são projetados utilizando tecnologia alemã de última geração, o que proporciona mais qualidade, confiabilidade e segurança para o andamento das obras.

Ficha Técnica da Obra

Valor da Obra: R$ 30 milhões.
Peso do Conduto Metálico: 730 ton.
Comprimento do Conduto: 1,5 Km.
Diâmetro do Conduto: 1700 mm.
Cliente: Light Energia
Construtora: Contemat
Local: Serra das Araras – Piraí- RJ
Distância máxima de bombeamento de Concreto: 480 metros
Pressão Máxima da Bomba de Concreto: 195 Bar (Alta Pressão)
Concreto: Brita 0 e 1 Slump 20 +- 3
Concreteira: Resitamix- Resende-RJ
Peças Concretadas: Lajes e vigas da ampliação da casa de válvulas, concretagens de berços para apoio dos dutos de transporte d´água.
Fornecedor Aditivos: Rheoset e Grace Construction
Bomba de Concreto: Auto Bomba para Concreto SCHWING-Stetter modelo SPL 2000
Empresa de Bombeamento: Concrezac Bombeamento de Concreto
Maiores dificuldades da Obra para o bombeamento de concreto: Bombeamento de concreto descendente a mais de 200 metros de distância, longas distâncias de bombeamento chegando a 480 metros e determinar o traço de concreto ideal para o execução do bombeamento.

Enviado por Schwing |
© Copyright SCHWING-Stetter Brasil 2017
Rod. Fernão Dias, km 56 - Terra Preta - Mairiporã - SP - Brasil - CEP: 07600-000
Tel.: 55 11 4486-8500 | Fax.: 55 11 4486-1227 / 1344
desenvolvido por Geosfera