Schwing Stetter

40 anos

SCHWING-Stetter Brasil é centro das atenções na Concrete Show

Enviado em: 18/09/2014 às 13:09:40

A empresa foi uma das grandes patrocinadoras do evento, apresentando novidades que atraíram grande quantidade de visitantes no estande

A Concrete Show aconteceu num mês favorável para o Brasil, já que agosto é uma data em que as indústrias concreteiras e construtoras começam a programar os investimentos para o ano seguinte. A SCHWING-Stetter Brasil fez uma participação brilhante nesse evento, destacou-se como uma das principais patrocinadoras e apresentou tecnologias para garantir melhor produtividade na construção civil, aplicadas em pequenas, médias e grandes obras.

“O Brasil é um país que requer investimentos contínuos em infraestrutura para continuar se destacando entre as economias emergentes”, diz o presidente da SCHWING-Stetter Brasil, Ricardo Lessa. “A Concrete Show é uma das principais feiras para a SCHWING apresentar novidades. Durante os três dias de feira, cerca de 4.000 pessoas visitaram nosso estande da empresa”, acrescenta.

Nesta edição, mais de 31 mil visitantes passaram pelos pavilhões do Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo, maior público registrado em oito anos de evento.
“As pessoas que visitaram nosso estande queriam se atualizar, conhecer e utilizar novas tecnologias, que contribuem tanto para a qualidade como para a produtividade nos canteiros de obras pelo país”, informa Ricardo Lessa. “Os visitantes são qualificados, a maior parte deles, profissionais com poder de decisão e influência na compra de produtos”.

Entre as novidades apresentadas pela empresa, destacam-se a 2ª geração da bomba S43SX, a S31XT com mastro de distribuição telescópico, e a SPL 2000 GB, com motor Euro 5, além das Autobetoneiras AM10FHC e AM8FPB equipada com kit de bombeio, e o robô para projeção de concreto TSR 30.14.

A estrutura de pós-venda, com serviços, peças, treinamentos, simulador de bombeamento de concreto e um carro de apoio técnico completo estiveram entre as principais atrações do evento. “Quem passava pelo estande, fazia uma parada obrigatória para teste no simulador”, diz o responsável de marketing da SCHWING-Stetter Brasil, Marcos Almeida.

Bombeamento com tecnologia SCHWING

A S43SX é a maior bomba de concreto fabricada nas Américas, nas instalações da SCHWING, em Mairiporã (SP). É segunda geração do modelo lançado em 2013, agora com uma série de adaptações para torná-la mais leve e com o centro de gravidade mais baixo.

 A autobomba S31XT é equipada com mastro telescópico com extensão adicional de 4,60m mesmo durante a concretagem, aumentando cerca de 50% da área de trabalho.

Já a SPL 2000 GB bombeia com pressões máximas sobre o concreto de até 108 bar, através de seu circuito hidráulico aberto, podendo alcançar bombeamentos em pequenas, médias e grandes distâncias horizontais e verticais. Não utiliza motor auxiliar, seu acionamento é através de caixa de transferência utilizando o motor do caminhão.

Autobetoneiras com mistura eficiente e robôs para projeção

Desenhadas para montagem em diferentes marcas de modelos de caminhões, com capacidade de carga mínima admissível de 32 toneladas, as autobetoneiras apresentadas na feira possuem uma série de atrativos essenciais para o setor concreteiro.

A AM10FHC, que teve fabricação retomada pela SCHWING, é capaz de transportar até 10 m³ de concreto. Possui o melhor centro de gravidade por volume de concreto transportado, proporcionando segurança durante o transporte. O tambor de 2.300 mm de diâmetro é fabricado com aço de elevada resistência abrasiva ao concreto, prolongando a vida útil do equipamento.

A SCHWING também apresentou a AM8FBP, equipada com sistema de bombeamento de concreto, com objetivo de melhorar e otimizar a mistura do concreto agregando facilidade de bombeamento em um único equipamento, o que agiliza o trabalho em obras de pequeno porte.

O Robô Auto Projetor para Concreto, modelo TSR 30.14, foi outro grande atrativo na feira. Movido por um motor Cummins B4.5/80 (80Hp) e equipado com bomba para concreto projetado, tem capacidade produtiva de 33 m³/h e 59 bar de pressão no concreto, lança telescópica com alcance de até 14m com rotação de até 270º, o que proporciona ao operador melhor operabilidade e o mais auto grau de ergonomia.

SCHWING consolida confiança no pós-venda

A Unidade Móvel de Apoio Técnico voltada para a manutenção de bombas de concreto chamou atenção. Equipada com itens específicos para manutenção hidráulica, mecânica, elétrica e eletrônica, entre as ferramentas e dispositivos, possui flow-meter, multímetro digital, lavadora de alta pressão, unidade de filtragem para óleo, máquina de solda, e unidade de apoio para acionamento de bombas em caso de emergência. Faz até manutenções à noite, por dispor de quatro holofotes de Led próprios.

Treinamentos e simulador de operação atraem público

Os treinamentos ministrados pela SCHWING fizeram sucesso durante a Concrete Show. Diversas pessoas treinadas durante os três dias de feira. “Participaram operadores, mecânicos e eletricistas”, conta Daniel Silva, responsável pela área de treinamento da empresa.

“Com isso, as pessoas podem extrair com segurança os benefícios dos equipamentos, além de identificar falhas, reduzindo paradas imprevistas, custos com reparos, aumentando a vida útil dos componentes e a disponibilidade física”, diz.

O simulador de bombeamento de concreto apresentado no estande identifica todo o processo de bombeamento, desde a estabilização do equipamento, abertura do mastro e a distribuição do concreto.

“Os operadores e profissionais envolvidos nos trabalhos de bombeamento de concreto se familiarizam com a operação antes da prática e se preparar para isso. As empresas que possuem centro de treinamento de operadores gostaram do simulador e, principalmente, de saber que a SCHWING-Stetter vai disponibilizá-lo para treinar pessoas e emitir relatório gerencial das operações”, diz o supervisor de engenharia mecatrônica da empresa, Alan Campezzi.

Confira os melhores momentos nas fotos abaixo: 

Enviado por Schwing |

Tecnologia no concreto aliada à eficiência em pós-venda

Enviado em: 17/08/2014 às 03:08:02

SCHWING-Stetter Brasil lança na Concrete Show as bombas S43SX (2ª geração), S31XT com mastro de distribuição telescópico e SPL 2000 GB, as Autobetoneiras AM10FHC e AM8FBP com kit de bombeio, e o Auto Robô para projeção de concreto TSR 30.14

Fornecer equipamentos, agregar agilidade e produtividade ao setor de concreto, fazendo a interface com treinamento, assistência técnica e pós-venda. Essa é uma tarefa complexa, que somente a expertise de uma empresa como da SCHWING-Stetter Brasil é capaz de atender com precisão as necessidades do cliente, com  soluções completas.

“O Brasil não consegue ser um país auto-suficiente se não tiver uma infraestrutura pujante”, pontua o presidente da SCHWING-Stetter Brasil, Ricardo Lessa. “Por isso, precisa contar com mão de obra eficiente e empresas com equipamentos que trabalhem com produtividade, disponibilidade e menos custo operacional. Hoje, aqui no Brasil produzimos modelos com tecnologia e capacidade em igualdade de condições em todo o mundo’, informa.

A empresa apresentará na Concrete Show 2014 várias novidades. Serão lançadas a 2ª geração da bomba S43SX, a S31XT com mastro de distribuição telescópico, e a SPL 2000 GB, com motor Euro 5, além das Autobetoneiras AM10FHC e AM8FPB equipada com kit de bombeio, e o robô para projeção de concreto TSR 30.14.

Além dos lançamentos, a empresa apresentará toda a estrutura de pós-venda, como serviços, peças, treinamentos, simulador de bombeamento de concreto e um carro de apoio técnico completo. A empresa também vai disponibilizar dois equipamentos – Uma SCHWING S32X e Auto Betoneira AM10FHC – para o Projeto Paredes de Concreto, da ABESC (Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem).

Tecnologia de ponta no bombeamento de concreto

Produzida nas instalações da SCHWING-Stetter Brasil, em Mairiporã (SP), a S43SX é a maior bomba de concreto fabricada nas Américas. Trata-se da segunda geração, ou seja, a evolução do modelo lançado em 2013, agora com uma série de adaptações para torná-la mais leve e com o centro de gravidade mais baixo, proporcionando melhor dirigibilidade do equipamento, constituído de estrutura robusta.

Essa bomba usa a combinação de 5 seções do mastro com abertura em sistema RZ e estabilização Super X.

A autobomba S31XT apresenta ao mercado um novo perfil de concretagem patenteado pela SCHWING. Este equipamento está equipado com um mastro telescópico com extensão adicional de4,60 m mesmo durante a concretagem. Isso aumenta a área de trabalho de cerca de 50%.

Sua altura mínima para abertura do mastro é inferior a5,70 m, o que o torna ideal para locais de trabalho fechados. A capacidade da S31XT é especial: giro de 550°, significa que o operador pode realizar o trabalho de qualquer posição.

Já a SPL 2000 GB não utiliza motor auxiliar, seu acionamento é através de caixa de transferência utilizando o motor do caminhão, neste caso Euro 5, que está em conformidade com o Conama. Bombeia com pressões máximas sobre o concreto de até 108 bar, através de seu circuito hidráulico aberto, podendo alcançar bombeamentos em pequenas, médias e grandes distâncias horizontais e verticais, o que proporciona ao cliente um rápido retorno de seu investimento.

A facilidade operacional e baixo custo de manutenção fazem com que a linha SPL sejam equipamentos com excelente relação custo/benefício, que atende muito bem ao cliente nas diversas situações de trabalho.

A melhor mistura

As autobetoneiras apresentadas na feira possuem uma série de atrativos essenciais para o setor concreteiro. São desenhadas para montagem em diferentes marcas de modelos de caminhões, com capacidade de carga mínima admissível de 32 toneladas.

A SCHWING retomou a fabricação do modelo AM10FHC, capaz de transportar até 10 m³ de concreto. Trata-se da autobetoneira que possui o melhor centro de gravidade por volume de concreto transportado, proporcionando segurança durante o transporte.

O tambor de 2.300 mm de diâmetro é fabricado com aço de elevada resistência abrasiva ao concreto, prolongando a vida útil do equipamento. Possui reservatório hidráulico, visualizador de nível, sistema de filtragem e trocador de calor com sensor elétrico para acionamento automático.

Após o grande sucesso desde seu lançamento na Concrete Show 2013, a empresa também apresentará novamente na edição deste ano a Autobetoneira AM8FBP.

Equipada com sistema de bombeamento de concreto, com objetivo de melhorar e otimizar a mistura do concreto agregando facilidade de bombeamento em um único equipamento, o que agiliza o trabalho em obras de pequeno porte. Essa unidade de bombeamento é a evolução das bombas mecânicas (válvula e esfera) para as bombas com acionamento hidráulico.

Auto-Robô para projeção de concreto

A SCHWING vai lançar na feira um equipamento que até então não tinha sido fornecido pela empresa no Brasil: o Robô Auto Projetor para Concreto, modelo TSR 30.14. Movido por um motor Cummins B4.5/80 (80Hp) e equipado com bomba para concreto projetado, tem capacidade produtiva de 33 m³/h e 59 bar de pressão no concreto, lança telescópica com alcance de até 14m com rotação de até 270º, o que proporciona ao operador melhor operabilidade e o mais auto grau de ergonomia.

Ambos são acionados por um motor elétrico, e o equipamento dispõe de um sistema de operação de emergência realizado separadamente do sistema principal por meio de uma bomba de engrenagens acionada pelo motor diesel do veículo, garantindo ao cliente continuidade em seu trabalho.

O bico de projeção é composto por três motores hidráulicos, dois deles para ajuste da pistola com movimentos giratórios e o outro motor hidráulico para movimentos oscilatórios.

Pós-venda começa na compra 

A qualidade dos serviços de manutenção e pós-venda de equipamentos tem norteado o mercado da construção. “O departamento de pós-venda é bastante exigido”, declara Ricardo Lessa. A Unidade Móvel de Apoio Técnico voltada para a manutenção de bombas de concreto é um dos principais atrativos da SCHWING-Stetter na Concrete Show, devido à contribuição ao departamento de serviços.

O veículo é equipado com itens específicos para manutenção hidráulica, mecânica, elétrica e eletrônica e, entre as ferramentas e dispositivos, estão flow-meter, multímetro digital, lavadora de alta pressão, unidade de filtragem para óleo, máquina de solda, e unidade de apoio para acionamento de bombas em caso de emergência. Pode, inclusive, fazer manutenções à noite, por dispor de quatro holofotes de Led próprios.

“Também vamos apresentar uma versão com um pequeno guindaste, para auxiliar na movimentação de peças necessárias durante as manutenções”, conta Lessa.

Compare “ao vivo” peças originais e paralelas

Ao chegar no estande da SCHWING, o visitante vai conferir lado a lado as peças originais e as de má procedência do mercado paralelo. A partir da análise visual da qualidade do material, é possível distinguir que preço baixo é sinônimo de pouca qualidade.

“Os clientes que já fizeram essa comparação sabem que qualidade equivale a preço justo, não abusivo”, diz o responsável de marketing da empresa, Marcos Almeida, acrescentando que esse tipo de exposição é importante porque muitas vezes o responsável pela compra de peças não sai a campo, faz as cotações e pedidos por telefone. “Não conhece a peça, sua estrutura, qualidade e principalmente as diferenças entre os modelos originais e paralelos”, explica.

Serão apresentados alguns itens fornecidos pela empresa no Brasil, como as mangueiras de distribuição com redução na ponta da lança, com sistema de redução de 5 para 3 polegadas distribuído ao longo de 4 m lineares. “Para se ter ideia, o mercado paralelo fornece um tudo que tem essa redução em apenas 1 m linear, que não cumpre a função da mangueira e é suscetível de romper e cair lá de cima”, alerta Almeida. Também estarão disponíveis as mangueiras flexível e com redução de 5 para 3 polegadas, e de 5 para 4 polegadas.

Investindo em pessoas – Treinamentos durante o evento

A SCHWING ministrará treinamentos de forma gratuita durante a Concrete Show. Serão poucas vagas a serem preenchidas, divididas em quatro treinamentos diários durante os 3 dias de feira.

“Os clientes assimilam bem a proposta, alguns retornam as suas empresas indicando a programação de treinamento de operadores, mecânicos e eletricistas. Temos participação até de proprietários de locadoras e gerentes de operações”, conta Daniel Silva, responsável pela área de treinamento da empresa.

Além de fidelizar o cliente, que poderá extrair todos os benefícios oferecidos pelo equipamento, os treinamentos promovem uma série de vantagens, como a possibilidade de identificar as falhas dos equipamentos, reduzindo paradas imprevistas, custos com reparos, aumentando a vida útil dos componentes, bem como sua disponibilidade física. “Além disso, há uma alta rotatividade de pessoas nas empresas prestadoras de serviços de concretagem, com pessoas provenientes de outras áreas de obras”, explica Daniel.

Simulador de Bombeamento de Concreto

Também será apresentado no estande o simulador de bombeamento de concreto desenvolvido pela SCHWING-Stetter Brasil, que identifica todo o processo de bombeamento, desde a estabilização do equipamento, abertura do mastro e a distribuição do concreto.

De acordo com o supervisor de engenharia mecatrônica da SCHWING-Stetter Brasil, Alan Campezzi, os operadores e profissionais envolvidos nos trabalhos de bombeamento de concreto vão se familiarizar com a operação antes da prática e se preparar para isso. “As empresas que possuem centro de treinamento de operadores gostaram do simulador e, principalmente, de saber que a SCHWING-Stetter vai disponibilizá-lo para treinar pessoas e emitir relatório gerencial das operações”, observa.

O simulador possui monitor, controle com os mesmos painéis e controle remoto utilizados no equipamento real (sem qualquer alteração), unidade de controle e simulação para interface no sistema. Como no bombeamento o operador trabalha fora da cabine do caminhão, posicionado num ponto de controle onde tenha toda a visão do processo, na simulação o software emite todos os alarmes orientadores que alertam sobre possíveis procedimentos errados.

Um time de pós-venda ainda mais completo

A SCHWING-Stetter possui um time de pós-venda agora ainda mais completo para atender seus clientes. O engenheiro Rogério Sousa é o novo gerente de pós-venda, responsável por peças de reposição, serviços, treinamentos e filiais da SCHWING-Stetter Brasil. Ele retorna para a empresa após ter ficado oito anos na Bosch Rexroth, onde trabalhou na área de serviços, responsável por bombas e motores de pistões, e em seguida tornando-se responsável por didática, na área de treinamento para clientes.

Antes de ter sido um dos principais executivos da SCHWING, Rogério já trabalhava na Bosch Rexroth, onde ingressou em 1996 como engenheiro de aplicação e desenvolvimento, após ter se formado em 1995 em engenharia mecânica pela FEI. Foi em 1996 que começou a atender a SCHWING, dando importantes contribuições para a parte hidráulica dos equipamentos.

Contratado pela SCHWING em 1998, trabalhou na área de engenharia da empresa e ingressou na UHS (Unification Hydraulic Systems), grupo internacional da empresa com objetivo de unificar e nivelar a hidráulica de todos os equipamentos da marca. Após isso, saiu do departamento de engenharia para participar da implantação do departamento pós-venda e treinamento da SCHWING, onde permaneceu até 2006.

Faça seu credenciamento on-line e venha conhecer de perto o universo de possibilidades que só a SCHWING-Stetter pode oferecer:

Enviado por Schwing |

Tecnologias SCHWING atraem público na Fenasan 2014

Enviado em: 07/08/2014 às 00:08:03

Novidades como a bomba de pistão, a prensa para desaguamento de lodo residual e o higienizador de lodo desidratado agregam benefícios e reduzem custos

Reduzir custos sem comprometer a eficiência dos resultados é o maior desafio para as empresas de saneamento e tratamento de esgoto, em qualquer parte do mundo. A boa notícia é que, durante a Fenasan 2014, realizada de 30 de julho a 1º de agosto, em São Paulo, a SCHWING-Stetter Brasil mostrou ao mercado que isso é possível, basta utilizar a tecnologia, serviço e projeto adequados.

A empresa apresentou novidades como os equipamentos que fazem a desidratação e higienização do lodo residual, além do bombeamento e transporte por tubulação desse lodo em seu estado original, sem adição de polímeros. “A bomba de pistão deixou os visitantes interessados, muitos ainda não conheciam esse sistema capaz de bombear o lodo sem a necessidade de adicionar polímeros”, conta o engenheiro de vendas da empresa, Ralf Mota de Oliveira.

A prensa para desaguamento de lodo desidratado foi outro atrativo apresentado pela SCHWING-Stetter, como uma solução viável de otimizar custo/ benefício nos projetos, principalmente quando comparada a outros sistemas tradicionais. Ela trabalha com uma revolução por minuto (1 rpm), enquanto as centrífugas, por exemplo, giram a 3000 rpm.

De acordo com o departamento de bombas de pistão da área industrial da SCHWING-Stetter Brasil, isso significa redução no consumo de energia elétrica e menor desgaste de peças, reduzindo o custo operacional para os clientes, já que esses são os principais custos nesse setor. O mesmo se aplica para as bombas helicoidais, que exigem muitas peças de reposição devido ao grande desgaste. Na verdade, essas bombas não são adequadas para aplicações que exijam pressão acima de 10 bar, em bombeamento de lodo desidratado.

Solução sem necessidade de adicionar polímeros

O grande benefício para esse setor é, sem dúvida, poder bombear o lodo resultante do sistema de desaguamento sem adicionar polímeros, nem precisar de tubulações com grandes dimensões (grande diâmetro).

Os especialistas da área defendem que a adição de polímeros para dar condições das bombas helicoidais transportarem o lodo, acaba fluidizando esse lodo, o que retrocede o processo, já que são investidos valores elevados no sistema de desaguamento desse lodo, desde o princípio.

“Essa textura mais fluidificada aumenta o volume do lodo e, em consequência, impacta nos custos operacionais para o transporte por tonelada desse material aos aterros. Acrescenta-se a isso os custos adicionais com instalação e manutenção de estação de mistura e dosagem de polímeros”, informa o departamento de bombas de pistão da área industrial da empresa

Público alvo específico

O estande da empresa foi visitado por centenas de pessoas, a maioria profissionais especializados em instalação, operação e manutenção desses sistemas, além de concessionárias de água e saneamento. Por exemplo, as empresas que não são especificamente da área de saneamento, mas geram muito resíduo estão interessadas na prensa de desaguamento.

“A Sabesp assimilou bem essa tecnologia, as vantagens e benefícios, e já utiliza as bombas de pistão em Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) na região metropolitana de São Paulo, como a ETE Parque Novo Mundo. Além disso, estão desenvolvendo outros projetos onde esse sistema será utilizado”, explica Ralf

O estande da SCHWING-Stetter recebeu, além de executivos da Sabesp, visitantes de outras concessionárias, como a Sanepar, do Paraná, o DAE, de Santa Bárbara do Oeste, o SAAE, de São Carlos, a CAERN, de Natal, a CAESB, de Brasília, a Copasa, de Minas Gerais, e Águas Guariroba, do Mato Grosso do Sul.

Processo Bioset transforma o lodo desidratado em lodo classe “A”, fertilizante orgânico.

O higienizador de lodo desidratado desenvolvido pela SCHWING Bioset atraiu o interesse do público na feira. Trata-se de um sistema de alcalinização do lodo para aproveita – lo como fertilizante classe “D” ou corretor de acides do solo para ser aplicado na agricultura, dando direito ao selo verde.

O processo Bioset de transformar o material desidratado em fertilizante através da higienização é exclusivo. Necessita de um espaço pequeno, com apenas 3m de largura por 16m de comprimento e assim que o lodo é higienizado pode ser aplicado como fertilizante na agricultura. O operador em nenhum momento tem contato com o material, é um processo 100% isolado, livre de odores, sujeira, desinfecção e qualquer outro tipo de contaminação.

Todos os agentes microbiológicos e bacteriológicos como coliformes, salmonela e ovos de helmintos são eliminados quando o material é bombeado para dentro do reator, onde existe uma reação exotérmica que o eleva a uma temperatura que varia de 43ºC à 70ºC, por um período de retenção mínimo de 30 minutos (dependendo de cada tipo de lodo), tempo de percurso pelo reator, eliminando completamente todos os patógenos.

Confira mais alguns destaques do estande SCHWING-Stetter na Fenasan 2014:

Enviado por Schwing |

SCHWING lança pacote de soluções para os prédios de desidratação de Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e lodo residual na Fenasan 2014

Enviado em: 10/07/2014 às 01:07:11

Após a premiação de Inovação Tecnológica na Fenasan 2013, a empresa apresenta as bombas de pistão para materiais pastosos, silos de fundo plano com sliding frame e o higienizador de lodo desidratado – processo Bioset na edição de 2014

A indústria brasileira avança em tecnologia sustentável para as Estações de Tratamento de Esgoto (ETE), especificamente nos processos de desaguamento e higienização de lodo. A SCHWING-Stetter Brasil, por meio da linha de equipamentos industriais, lança uma solução completa de equipamentos, que faz a desidratação, o bombeamento e o transporte por tubulação desse lodo em seu estado original, sem adição de polímeros, além do armazenamento em silos com sistema sliding frame. Esse material pode ser higienizado, tornando-se lodo Classe “A”, ideal para aplicação na agricultura.

O sistema será apresentado na Fenasan – 25ª Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente realizada de 30 de julho a 1º de agosto de 2014, no Pavilhão Azul do Expo Center Norte.“As bombas de pistão são mais produtivas que as de hélice contínua, por bombearem o lodo residual no formato original que ele sai dos filtros prensas, das roscas de desaguamento, das centrífugas ou das esteiras prensas, com uma porcentagem teor de sólidos de até 40%” e pressão de até 130 bar, compara o engenheiro de vendas da empresa, Ralf Mota de Oliveira.

Sistema de dosagem e mistura de leite de cal, tecnologia SCHWING prevê um sistema automatizado que garante a variação da concentração dessa mistura em ± 1%, conforme a receita previamente definida e informada ao sistema de controle, através da pesagem precisa, mistura homogênea e contínua da solução.

De acordo com ele, as tradicionais bombas de hélice contínua não são capazes de bombear um lodo de 18% de sólidos com uma pressão superior a 16 bar, se não forem adicionados polímeros, necessários nesse caso para fluidizar o lodo desidratado e evitar que ele atinja uma pressão muito alta durante o bombeio. “Os custos relativos à compra e mistura de polímeros encarecem a operação”, diz.
Além disso, continua Ralf, as bombas de hélice contínua não bombeiam partículas de maiores dimensões que vêm misturadas no lodo desidratado. Essas partículas travam a hélice e danificam completamente a bomba. “Já as bombas de pistão admitem uma partícula de corpo estranho de até 3 polegadas (76,00 milímetros) dependendo do diâmetro da tubulação”, explica o engenheiro.
A SCHWING-Stetter Brasil fornece sistemas com circuito hidráulico aberto que promove filtragem 100% de todo o óleo hidráulico, podendo ser acionada elétrica ou hidraulicamente, sem interrupção do bombeio, característica vantajosa em casos de eventual falha nos comandos elétricos.
Mercado próspero a ser explorado
Há uma demanda expressiva para utilização de bombas para materiais pastosos no setor de água e saneamento, mas não há iniciativa de investimentos governamentais nessa área, todos os sistemas estão ultrapassados, com equipamentos rudimentares. A SCHWING-Stetter Brasil já investiu cerca de R$ 1,2 milhões em estrutura implantada para atender a essa área, com projetos em negociação com valores entre R$ 700 mil a R$ 25 milhões que incluem o fornecimento das soluções em bombas e demais equipamentos, desenvolvimento e acompanhamento da planta e consultoria específica para o bombeamento.
Hoje existem os transportadores de correia expostos à corrosão do lodo e de todo o material processado. Com as bombas de pistões isso não ocorre, o acionamento não entra em contato com o material, somente os êmbolos de recalque, e o transporte do lodo é feito por tubulação em aço inox, 100% resistente à corrosão. As instalações de tratamento de água e esgoto equipadas com bombas de pistão são muito comuns em países norte-americanos e europeus, onde existem sistemas fechados que não geram odores, sujeiras ou ruídos. A Sabesp tem uma bomba de pistão que faz o bombeamento do lodo desidratado com 40% de sólidos, na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Parque Novo Mundo, em São Paulo. O sistema foi instalado pela SCHWING Equipamentos há três anos.

 

“A Sabesp tem custo zero com manutenção, essas bombas podem operar um período de 50 mil horas – equivalente a cinco anos de trabalho – sem interrupção. Além disso, temos equipes especializadas para manutenção e assistência técnica”, garante Ralf.
Desidratação – Rosca para desaguamento do lodo
A SCHWING também fornece roscas de desaguamento com várias vantagens em relação às centrífugas tradicionais, a exemplo do baixo consumo de energia elétrica, pouca vibração e reduzido custo de manutenção.

 

 

A empresa apresenta soluções específicas para o bombeio do lodo desidratado, bem como seu tratamento. Os silos de fundo plano com sliding frame previnem a obstrução do material a ser descarregado do silo para caminhão. Eles têm a função de cisalhar o lodo e forçar a entrada do mesmo na rosca extratora.

“A maioria dos silos disponíveis no mercado não dispõe desse dispositivo, o que dificulta o escoamento do lodo. Muitas vezes as pessoas envolvidas precisam adotar métodos inadequados como dar golpes com pedaços de madeira ou martelos de borracha no silo para esse lodo se desprender. Isso danifica o silo e muitas vezes o lodo acaba sendo desviado para um pátio a céu aberto, gerando problemas ambientais”, diz.
Já o higienizador de lodo desidratado – processo Bioset – é um sistema de alcalinização do lodo para aproveitamento como correção do PH do solo e adubo orgânico na lavoura. que possui um selo verde.

 

Projeto Piloto em Franca
“Há um projeto piloto de higienização numa ETE da Sabesp na cidade de Franca (SP). A coleta desse material já foi feita e enviada para análise em laboratório especializado, que o caracterizou como Biosólido Classe “A”, ou seja, um fertilizante 100% orgânico ideal para ser aplicado na agricultura, em culturas como eucalipto, seringueira, cana de açúcar utilizada para o biocombustível, café e Citros”, informa Ralf.

 

 

Desenho do Processo da ETE Franca

Projeto Piloto em Campinas
Na ETE Anhumas da SANASA em Campinas o objetivo foi higienizar o lodo à 70°C, para ser posteriormente utilizado como corretor de PH do solo, na cultura de cana de açúcar.

 

 

Esse processo atende aos parâmetros estabelecidos pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), podendo ser registrado como fertilizante orgânico, ou condicionador de solo.
“Na verdade, o equipamento já atende a todas as diretrizes americanas da Agência de Proteção ao Meio Ambiente dos Estados Unidos, EPA onde temos todos os certificados obtidos e mais de 17 projetos de grande porte higienizando lodo e aplicando na agricultura. Em alguns casos é feito o enriquecimento de nutrientes para aumentar seu potencial agronômico, dependendo do tipo de cultura que se deseja aplicar”, diz Ralf.

 

Amostra de Entrada do Equipamento

Amostra de Saída do Equipamento

De lodo desidratado, a fertilizante orgânico sem contaminantes
O lodo proveniente de regiões metropolitanas contém contaminantes e metais pesados, por isso não é ideal para ser higienizado, mas incinerado. Os oriundos do interior, como das regiões de Franca, Taubaté, Piracicaba, Várzea Paulista, Itatiba, Jundiaí,Campinas, Prudente, Sul de Minas Gerais, Paraná, Espírito Santo, Norte Fluminense, podem ser transformados em fertilizante para a agricultura.
O processo Bioset de transformar o material desidratado em fertilizante é exclusivo. Necessita de um espaço pequeno, com apenas 3m de largura por 16m de comprimento e assim que o lodo é higienizado pode ser aplicado como fertilizante na agricultura. O operador em nenhum momento tem contato com o material, é um processo 100% isolado, livre de odores, sujeira, desinfecção e qualquer outro tipo de contaminação.
Todos os agentes microbiológicos e bacteriológicos e patógenos como coliformes, salmonela e ovos de helmintos são eliminados quando o material é bombeado para dentro do reator, onde existe uma reação exotérmica que o eleva a uma temperatura que varia de 43ºC à 70ºC, por um período de retenção mínimo de 30 minutos (dependendo de cada tipo de lodo), tempo de percurso pelo reator.
É diferente de outros sistemas, como a compostagem, que precisa de uma área muito grande e exige que se revolva constantemente o lodo para misturá-lo, além de grande quantidade de material de poda como folhas ou orgânicos. Como ele fica em média 40 dias exposto ao solo ainda sem esterilização, corre-se o risco de contaminação do lençol freático, necessitando de isolação eficiente do terreno. A secagem térmica convencional, outro processo, chega a reduzir o lodo em até 85% do volume, ou seja, uma tonelada pode minguar para 150 kg, porém são sistemas que exigem um investimento muito alto em equipamento e infraestrutura, alto CAPEX e alto consumo de energia elétrica o que eleva muito o custo operacional OPEX, além de eliminar completamente a matéria orgânica do lodo.
O lodo classe “A” obtido através do processo Bioset pode ser posteriormente peletizado e adicionado nutrientes de acordo com cada tipo de cultura, de forma a agregar ainda mais valor ao produto.

 

VISITE NOSSO ESTANDE NA FENASAN 2014 – CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E FAÇA SEU CADASTRAMENTO ON-LINE!

Enviado por Schwing |

Segurança, treinamento e eficiência no pós-venda.

Enviado em: 24/06/2014 às 13:06:38

Na M&T Peças e Serviços, o estande da SCHWING-Stetter Brasil atraiu centenas de pessoas para conhecer a Unidade de Apoio Técnico, o Simulador de Bombeamento de Concreto  e conhecer de perto a diferença entre peças originais e paralelas, além de  realizar treinamentos in loco

A qualidade dos serviços de manutenção e pós-venda de equipamentos tem norteado o mercado da construção. Quem visitou o estande da SCHWING-Stetter Brasil na M&T Peças e Serviços constatou o quanto esse assunto merece atenção. Num  ano em que os empresários estão prolongando o período para renovação das frotas devido à baixa quantidade de obras no país, o foco tem sido a manutenção dos equipamentos em atividade.

“O departamento de pós-venda é bastante exigido”, declara Celso Pinheiro, gerente de pós-vendas da SCHWING-Stetter Brasil. A Unidade de Apoio Técnico voltada para a manutenção de bombas de concreto foi um dos principais atrativos da SCHWING-Stetter na feira, devido à contribuição ao departamento de serviços.

O veículo é equipado com itens específicos para manutenção hidráulica, mecânica, elétrica e eletrônica e, entre as ferramentas e dispositivos, estão flow-meter, multímetro digital, lavadora de alta pressão, unidade de filtragem para óleo, máquina de solda, e unidade de apoio para acionamento de bombas em caso de emergência. Pode, inclusive, fazer manutenções à noite, por dispor de quatro holofotes de Led próprios.

“A Unidade de Apoio Técnico foi desenvolvida exclusivamente pela SCHWING-Stetter Brasil, para prestar serviços de manutenção dos clientes, mas muitos deles estão interessados em adquiri-la para atender às necessidades dos equipamentos da linha amarela, já que a oficina é focada em manutenção pesada, além de voltada ao sistema eletrônico da bomba de concreto”, diz Celso. Por isso, a ideia é fabricar as primeiras unidades para o departamento pós-venda da SCHWING-Stetter, depois dar continuidade fabricando novas oficinas móveis para quem quiser adquirir.

“Também teremos uma versão com um pequeno guindaste, para auxiliar na movimentação de peças necessárias durante as manutenções”, conta o gerente.

Visitantes comparam “ao vivo” peças originais e paralelas

Além de apresentar novidades, a SCHWING-Stetter prestou um serviço de grande utilidade  para quem compra peças, expôs lado a lado os itens originais e os de má procedência do mercado paralelo, para os visitantes compararem as diferenças. A partir da análise visual da qualidade do material, é possível distinguir que preço baixo é sinônimo de pouca qualidade.  

“Os clientes que já fizeram essa comparação sabem que qualidade equivale a preço justo, não abusivo”, diz Celso, acrescentando que esse tipo de exposição é importante porque muitas vezes o responsável pela compra de peças não sai a campo, faz as cotações e pedidos por telefone. “Não conhece a peça, sua estrutura, qualidade e principalmente as diferenças entre os modelos originais e paralelos.

 

Foram apresentados alguns itens fornecidos pela empresa no Brasil, como as mangueiras de distribuição com redução na ponta da lança, com sistema de redução de 5 para 3 polegadas distribuído ao longo de 4 m lineares. “Para se ter ideia, o mercado paralelo fornece um tubo que tem essa redução em apenas 1 m linear este fator causa uma redução acentuada na linha podendo vir a causar entupimentos”, alerta Celso. Também estavam disponíveis as mangueiras flexível e com redução 5 para 4 polegadas.

 

As peças seguem rígido controle de qualidade, da produção à estocagem, até chegarem ao cliente final. A SCHWING tem uma fábrica na Alemanha especialmente para produzir componentes hidráulicos para as fábricas de todo o mundo, e os itens nacionalizados no Brasil seguem criteriosas especificações e exigências, oferecendo ao usuário o que há de melhor no mundo em termos de equipamentos para concreto.

 

Treinamento realizado com 240 pessoas 

Com ampla aceitação e comparecimento, os treinamentos ministrados pela SCHWING-Stetter Brasil durante a feira superaram as expectativas de participação. Todas as vagas foram preenchidas por 240 pessoas, divididas em quatro treinamentos diários durante os quatro dias de feira.

Os clientes assimilaram bem a proposta, alguns retornaram as suas empresas indicando a programação de treinamento de operadores e mecânicos. “Tivemos participação até de proprietários de locadoras e gerentes de operações”, conta Celso.

Além de fidelizar o cliente, que poderá extrair todos os benefícios oferecidos pelo equipamento, os treinamentos promovem uma série de vantagens, como a possibilidade de identificar as falhas dos equipamentos, reduzir  o numero paradas imprevistas, custos com reparos em manutenções corretivas, aumento da vida útil dos componentes bem como sua disponibilidade física. “Além disso, há uma alta rotatividade de pessoas nas empresas prestadoras de serviços de concretagem, com pessoas provenientes de outras áreas de obras”, explica Celso.

Simulador de Bombeamento de Concreto

O processo de bombeamento do concreto numa obra é complexo, exige atenção e precisa ser realizado por profissionais capacitados, caso contrário, vários procedimentos acabam feitos de forma incorreta. Por isso, o simulador de bombeamento desenvolvido pela SCHWING-Stetter Brasil chamou a atenção dos visitantes da feira. O software identifica todas as falhas que podem ocorrer durante a operação e possibilita que elas sejam corrigidas mediante alertas e relatório gerencial.

De acordo com o supervisor de engenharia mecatrônica da SCHWING-Stetter Brasil, Alan Campezzi, os operadores e profissionais envolvidos nos trabalhos de bombeamento de concreto vão se familiarizar com a operação antes da prática, e se preparar para isso. “Sem os riscos inerentes da operação real, é possível treinar e testar as habilidades dos operadores, bem como aprimorá-las em segurança. Além de envolver baixo custo e realidade virtual, a simulação incrementa exponencialmente o desenvolvimento  nos treinamentos, principalmente nas atividades que exigem mais prática. As empresas que possuem centro de treinamento de operadores gostaram do simulador e, principalmente, de saber que a SCHWING-Stetter vai disponibilizá-lo para treinar os operadores e emitir relatório gerencial das operações”, observa.

Muitas empresas estão interessadas nesses relatórios gerenciais, pois são emitidos de acordo com cada cenário de obra, aplicados de acordo com a complexidade de cada operação. O software permite a adequação do cenário customizado conforme o perfil do trabalho realizado pelo cliente. Na feira, a procura das empresas foi não apenas para adquirir o simulador, mas principalmente para treinar os profissionais na SCHWING.

“Os operadores que visitaram o estande também gostaram da realidade virtual proporcionada pelo simulador que, diferente dos softwares desenvolvidos por outros fabricantes de bombas de concreto, tem a qualidade visual e eficiência do funcionamento da máquina como um dos recursos mais relevantes, tornando o cenário de operação fiel à realidade”, diz Alan.

O simulador possui um monitor de alta resolução, rádio controle remoto, painéis de controle e comandos utilizados no equipamento real (sem qualquer alteração), unidade de controle e simulação para interface no sistema. Como no bombeamento o operador trabalha fora da cabine do caminhão, posicionado num ponto estratégico da obra onde tenha toda a visão do processo, na simulação o software permite vários ângulos de visão e câmeras em diversas posições para adequar a melhor visualização desejada, além dos alarmes orientativos e recomendações que alertam os operadores em treinamento sobre possíveis falhas.

É mais um passo que a SCHWING-Stetter Brasil dá para contribuir com tecnologia e desenvolvimento no mercado.

Lançamento do Clube da Válvula Rock

 

O Clube da Válvula Rock foi criado para promover um serviço de relacionamento, aperfeiçoamento profissional, treinamentos, além de descontos, benefícios, convites e promoções aos associados. É destinado apenas para operadores, mecânicos, ajudantes, pessoal de manutenção e eletricistas.

A associação ao clube é totalmente gratuita e associando-se ao Clube da Válvula Rock, você receberá o cartão do associado e automaticamente poderá usufruir dos benefícios.

Ser um associado do Clube da Válvula Rock é fazer parte de um grupo de profissionais seleto com interesses em melhoria na operação e segurança dos equipamentos e melhor desempenho profissional utilizando informações importantes do fabricante.

Ter todo o suporte para ir além, projetando a sua vida profissional visando sua melhor qualificação e a proteção do meio ambiente, garantindo sua segurança e de todos envolvidos na obra.

Extrair o melhor dos equipamentos garantindo vantagens competitivas para vencer os desafios de cada projeto. Conhecer um novo mundo, que vai lhe preparar para fazer a diferença e conquistar novos desafios.

Em breve, vamos inserir mais informações de como fazer as inscrições on-line. Enquanto isso, faça parte de nosso grupo no facebook:

facebook.com/groups/clubedavalvularock/

 

CONFIRA AS FOTOS DE NOSSO ESTANDE:

Enviado por Schwing |
© Copyright SCHWING-Stetter Brasil 2017
Rod. Fernão Dias, km 56 - Terra Preta - Mairiporã - SP - Brasil - CEP: 07600-000
Tel.: 55 11 4486-8500 | Fax.: 55 11 4486-1227 / 1344
desenvolvido por Geosfera